Dúvidas Frequentes

Cuidado com o Ambiente de Crianças Alérgicas

Principas Medidas a serem tomadas:

1. Quarto deve ser arejado e sem cortinas.
2. Manter guarda roupas armários e criado mudos fechados.
3. Bichos de pelúcia, ideal é evitar, escolher apenas alguns, que devem ser lavados com frequência.
4. Remover carpetes e tapetes.
5. No quarto deve ter e a menor quantidade de objetos, para evitar o acumulo de poeira.
6. Capas antialérgicas em colchoes e travesseiros, para impedir a passagem de ácaros.
7. Fumaça de cigarro: evitar sempre.
8. Aspirarador de pó potente, com filtro HEPA (high efficiency Particulate air), que impede que o ácaro volte para o ambiente.
9. Sofá o ideal ser de couro ecológico ou napa, e evitar os de tecidos, pois podem acumular ácaros.
10. Cão e Gato de preferencia manter do lado de fora de casa.

Alergia ao leite X intolerância à lactose

Comumente confundido pelos pacientes, essas duas doenças apresentam mecanismos fisiopatológicos e manifestações clínicas diferentes.

Quando falamos em Alergia ao Leite de vaca, estamos nos referindo a uma reação desencadeada por um mecanismo imunológico no qual o nosso corpo forma anticorpos do tipo IgE contra as proteínas do leite de vaca. As manifestações clínicas são bem variadas, como: anafilaxia, dermatite atópica, urticária, esofagite eosinofílica, e mais raramente asma ou rinite.

Na intolerância à lactose, que é o açúcar do leite, ocorre uma alteração da sua absorção na luz intestinal. A lactose é uma macromolécula, que precisa da ação de uma enzima chamada lactase para ser quebrada em 2 moléculas menores, capazes de serem absorvidas na luz intestinal. Se isso não ocorre, a lactose permanecerá na luz intestinal. A consequência será dor ou desconforto abdominal, flatus ou diarreia.

Bombinha vicia ou ataca o coração?

A “bombinha” é o nome popular do inalador dosimetrado. Esse inalador pode conter doses de diversos tipos de medicações como corticoides, broncodilatadores de longa e curta ação e associações destas medicações. Assim, a mesma medicação administrada por via oral ou por inalação convencional, pode também ser administrada por um inalador dosimetrado. Existe inúmeras vantagens do seu uso: é prático, rápido, mais econômico e permite melhor aproveitamento da medicação.

Porém muitas pessoas ainda acreditam que a “bombinha” poderia viciar ou atacar o coração. Como toda medicação, o médico deve orientar o seu uso. É importante saber quais medicações são utilizadas preventivamente e quais são utilizadas numa crise aguda de asma. Com a orientação adequada, essas medicações são seguras e fundamentais para um controle adequado da asma e de suas exacerbações.

Como usar e lavar o espaçador?

O espaçador é um dispositivo que pode ser acoplado ao inalador dosimetrado (spray), que facilita seu uso, principalmente em crianças ou pessoas que tenham dificuldade de coordenar a respiração durante o uso de medicamentos inalatórios.
Para a sua utilização, deve-se seguir alguns passos:

1. Coloque a criança sentada ou no colo, com a cabeça mais em pé. Retire bico ou chupeta.
2. Agite o spray vigorosamente, retire a tampinha e acople o espaçador ao bocal do spray.
3. Adapte bem a máscara à face da criança, cobrindo nariz e boca ou apenas a boca (se preferir usar bucal ao invés de máscara). Peça-a que abra a boca. A máscara deve ser adequada para o tamanho da criança, para evitar escapes.
4. Acione o spray
5. Com a máscara bem aderida ao rosto, aguarde que a criança respire naturalmente por 6 vezes seguidas
6. Retire a máscara do rosto e em seguida limpe a face e os lábios da criança, com água.

Tão importante quanto saber usá-lo, é conhecer o processo de limpeza dos espaçadores.

O espaçador não precisa ser limpo após cada uso, mas deve ser lavado, sem esfregar, com água a cada 7 dias. A máscara deve ser higienizada separadamente com álcool. Pelo menos uma vez por mês o espaçador deve ser colocado de molho, por 30 minutos, em uma vasilha com uma solução de água e detergente caseiro neutro (2 gotas de detergente para 1 litro de água). Após o período de permanência na solução o espaçador deve secar livremente sem ser enxugado.

O objetivo dessa limpeza, além de higienização do material, é reduzir a carga eletrostática que pode comprometer a quantidade de medicação que passa pelo espaçador. Não utilizar esponjas ou material abrasivo para não arranhar o espaçador e também comprometer o deslizamento da medicação dentro do mesmo.

Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla

Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla Serviços Bla Bla